terça-feira, 19 de novembro de 2013

Analise: Marvel Nemesis: Rise Of The Imperfects


Saudações caros leitores! Depois de 3 semanas sem PC, estou de volta com essa analise para vocês! Apresentando um dos melhores jogos do PS2 (E GameCube) e também um dos mais brilhantes do Universo da Marvel, lhes apresento: Marvel Nemesis: Rise Of The Imperfects. Sem mais delongas, vamos para a analise!

A Invasão e Rebelião dos Imperfeitos!


A história do jogo se foca numa grande invasão feita por Niles Van Roekel, um alienígena (Mesmo tendo aparência de humano) que junto com seu exército atacam a Terra. Inicialmente nesse ataque vemos heróis como Capitão América, O Justiceiro e o Hulk tentando deter os invasores, mas nossos heróis estavam sem sorte:


Muitos heróis são mortos nessa guerra, e é quando nossos protagonistas dão suas caras. Coisa, Wolverine e Elektra, tentam deter o ataque desses seres na cidade de New York, e mais tarde novos heróis iram aparecer para ajudar nessa guerra, como o Homem Aranha e o Homem de Ferro. Nessa hora é quando Niles Van Roekel, apresenta para nosso mundo, os Imperfects: Um grupo de mutantes que tem como sua missão aniquilar os heróis.

Imagem da versão de PSP.
Temos um total de 18 personagens (Na versão de Consoles) nessa trama, sendo 8 heróis, 8 Imperfeitos e 2 Vilões do Universo Marvel. Os heróis são: Coisa, Wolverine, Elektra, Homem Aranha, Demolidor, Tempestade, Tocha Humana e Homem de Ferro. Os Imperfeitos são: The Wink, Johnny Ohm, Fault Zone, Solara, Brigade, Hazmat (Meu Imperfect favorito), Paragon (Que é a real protagonista do Game, já que se revoltará contra o vilão da história) e o próprio Niles Van Roekel. E os 2 vilões são Venom e Magneto.


A versão de PSP traz 2 personagens a mais, sendo eles o Capitão América e o Dr. Destino (Não me pergunte porque diabos esses 2 não estão nas versões de console). Cada personagem tem suas próprias habilidades, sendo que os heróis e vilões da Marvel carregam seus clássicos poderes da HQ (Esse jogo é uma puta homenagem aos anos de Quadrinhos da Marvel). Os Imperfects foram criados por Stan Lee. Não conhece ele? Ele não é ninguém importante, só criou o Homem Aranha, X-Men, Homem de Ferro e metade do Universo da Marvel.

Stan Lee merece o respeito de qualquer fã de HQs. 
Ok, agora vamos ao sistema de batalhas. Como eu disse, cada personagens tem seus poderes clássicos, ou seja, o Homem Aranha sobe nas paredes, solta teia, o Homem de Ferro voa, atira misseis, atira raios de plasma e etc. Acho que não é preciso especificar bem o poder dos heróis e vilões da Marvel.

Olha lá o Hazmat dando uma surra no Coisa!
Bem, vamos falar das habilidades dos Imperfects. A The Wink pode se teleportar e atacar rapidamente, Johnny Ohm tem poderes elétricos, a Fault Zone é tão poderosa quanto o Coisa, a Solara tem poderes de fogo como o Tocha Humana, o Brigade é incrivelmente forte e solta tiros explosiovos, o Hazmat tem poderes de ácido e pode se locomover com uma velocidade incrível, a Paragon é a apelona do jogo: Destrói tudo com suas lâminas e Niles Van Roekel, com seu traje de batalha, tem várias armas brutais e apelonas.


No Gameplay darei exemplo da versão de PS2 (Eu joguei tanto na versão de PS2 quando de GameCube). No Quadrado você bate, no X você pula, no Círculo (Achou que eu ia falar Bola né safado?) você segura seu oponente e no Triângulo você se protege. Segurando o R1, suas habilidades com os botões já citados mudam. É ai que os poderes entram. Com R1 e Quadrado você solta um ataque de distância ou um que utiliza os poderes mutantes do personagens escolhidos. Com R1 e X você pula mais alto. Com R1 e Círculo você segura seu adversário com os poderes de seu personagem (Exemplo: Wolverine enfia as garras no peito do oponente e o joga pra longe). Já o R1 e Triângulo te permite se proteger com teu poder (Exemplo: Homem Aranha faz um círculo de teia em volta de si mesmo).

Lembrando que você também consegue carregar objetos, dependendo do tipo de personagem. Os mais grandes e fortes como Venom conseguem carregar objetos gigantes, e os mais pequenos e fracos como a Elektra conseguem carregar apenas objetos bem pequenos. O L1 permite o personagem correr mais rápido (Em alguns casos) ou fazê-lo voar (Como a Tempestade e o Johnny Ohm). Temos a Barra de Sangue e Magia. A de Magia lhe permite soltar seus poderes, o que é óbvio. Quando seu sangue estiver com um Danger escrito, é porque com alguns golpes a mais você já era. Com a barra no Danger, também é possível finalizar seu adversário, apertando R1 e Círculo quando ele estiver com essa situação.


Também existe o modo Rage, que quando ativado permite que o jogador fique com a magia infinita por um tempo. Os gráficos do jogo são bem bonitos e até impressionam para um jogo de 2005 (Só perde mesmo pro Shadow of the Colossus). Os cenários são bem apocalípticos e o visual do jogo bem Dark, o que combina muito com a atmosfera do jogo.


No jogo existe um total de 7 Arenas, com vários objetos e coisas destrutíveis que podem lhe ajudar ou atrapalhar durante uma luta. São elas: The Bridge, Avengers Mansion, New York Streets, Daily Bugle, Metro Station, Plant Zone e Roekel's Headquarters. Infelizmente não achei a imagem da Roekel's Headquarters, já que é fisicamente impossível achar uma imagem dessa Arena. Espero que entendam.



Marvel Nemesis também tem HQs, acredite se quiser. Intitulado Marvel Nemesis: The Imperfects, são várias HQs criadas pela própria Marvel para promover o game. A história delas é a mesma do jogo, porém é contada de um jeito diferente. Eu ainda não li, mas pretendo ler. E o melhor: Ela está disponível em Português também.


Marvel Nemesis: The Rise Of The Imperfects é um excelente Game de luta. Traz personagens fantásticos, uma história incrível e também uma trilha sonora épica. Não botei no post pelo fato de muitas músicas do jogo nem existirem no Youtube. Porém, clique aqui para ouvir a música tema do jogo, que é sensacional. É impossível negar que Marvel Nemesis é um dos melhores já feitos sobre o Universo da Marvel. E o final do Game traz um reviravolta fantástico. Lembrando que também existe uma versão pra Nintendo DS. E GF, esse é um Game de retrocompatibilidade do GameCube que você não pode deixar de escapar de sua lista.

Prós:

A jogabilidade, tanto do modo Adventure quanto a de luta é ótima.

Os gráficos são belíssimos para um jogo da 6º Geração.

Os personagens, cenários e músicas são excelentes.

Contras:

O jogo possui alguns glitches que podem atrapalhar, principalmente no Modo Adventure.

Nota: 9.0

Gostou da postagem? Comente ai e dê sugestões para próximas analises. Deixe sua opinião abaixo, pode ter certeza que irei lê-la. Essa postagem termina por aqui caros leitores, até a próxima postagem! =D

5 comentários:

  1. Putz, esse jogo é bom demais, já até fiz review no meu blog a um tempo atrás; uma pena que parece que ele não foi muito reconecido, poucas pessoas o jogaram, acho que merecia ter tido um sucesso maior!

    Aguardo uma sequencia até hoje, haha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro esse jogo também, foi um dos primeiros que joguei da 6º Geração. Acho que a falta de reconhecimento foi porque o Marvel Ultimate Alliance foi lançado um ano depois.

      Espero que um dia a EA Games consiga fazer sua sequência, focando nos Imperfects e nos outros heróis que sobraram (Acredito que o Motoqueiro Fantasma, Deadpool e o outros personagens da Marvel sobreviveram).

      Excluir
  2. Post tá muito bom,bem explicado e informativo.
    Eu tenho este jogo.Mas acho que é de mediano pra ruim.A campanha é curta,e muita repetitiva,inimigos ficam desbalanceados mais pro final,e os golpes dos personagens não são diversificados.O modo versus também não é lá essas coisas,só funciona como um passatempo.O ponto forte da jogabilidade é a interação com os cenários,já os gráficos são muito bons,e digo o mesmo para a parte sonora.Fui burro de trocar este jogo por Soul Calibur III,mas até que eu gostei.

    Sua média no Metacritic é 53,IGN deu 5,Game Revolution deu 2,Gamespot 64,Eurogamer 3.
    E sinceramente,eu concordo plenamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço os elogios, mas não confio muito nas criticas. Crash TwinSanity mesmo, recebeu 7.7 da IGN, e é o melhor jogo da série. Outro exemplo é o Sonic Lost World, que a IGN classificou como "Medíocre", e achei ele um dos poucos jogos atuais bons do ouriço. Mas respeito sua opinião.

      Excluir
    2. Assim como também respeito a sua,apesar da discordância.
      Nem sempre confio na crítica,mas nesse caso,vi que os defeitos que percebi batem com os das críticas que eu tive o prazer de ler (na verdade eu tenho costume de sempre ler análises de outras pessoas antes de produzir a minha).

      Sonic Lost World apesar de ter seus defeitos,parece ser um jogo digamos assim,jogável (ao contrário de Sonic 06 por exemplo).Queria ter um Wii U pra eu ver se ele é medíocre mesmo.Por enquanto,acredito que é um jogo mediano.

      Excluir