sábado, 24 de maio de 2014

Analise: Spider-Man (N64)


Saudações caros leitores! Hoje trago para vocês mais uma analise de um jogo do Nintendo 64. Dessa vez, a analise de Spider-Man, lançado em 2000 pela Activision e Marvel para o PlayStation 1, Game Boy Color, PC, DreamCast e o N64 que será o foco dessa analise. Sim, eu já joguei esse jogo no PS1, mas resolvi trazer a versão do N64 simplesmente por não ter quase nada de diferente da versão de PS1. Sem mais delongas, vamos lá!


A história do game se inicia em uma feira de ciências, onde Dr. Octopus está dando uma palestra sobre um de seus projetos. Nesta feira, Peter Parker e Eddie Brock estão tirando fotos para garantirem seu emprego no Clarim Diário, até que do nada, um falso Homem-Aranha surge e rouba o projeto de Dr. Octopus, assim como destrói a câmera de Eddie Brock. Enfurecido, ele se transforma no Venom e promete se vingar do cabeça de teia, sequestrando Mary Jane.

Mais tarde, Dr. Octopus e Carnage, jogam um gás tóxico na cidade, que impede que o aracnídeo desça pelas ruas. Sendo considerado culpado, Homem-Aranha então precisa se provar inocente, salvar Mary Jane de Venom, impedir Dr. Octopus e Carnage de dominarem a cidade de Manhattan e por fim, saber quem era o falso Homem-Aranha.

Devo dizer que até hoje me surpreendo com a história desse jogo. É um mix total de várias e várias HQs do cabeça de teia, que formam essa brilhante história que flui perfeitamente ao longo do game, com vários reviravoltas e a revelação do farsante.


Enfim, vamos ao Gameplay. Spider-Man é além de um jogo de ação/aventura, um Beat'em Up, o famoso gênero de espancar todos os inimigos que você encontrar. Essa união de dois gêneros fez o que os jogos 3D da Marvel, são até hoje, e tudo isso começou com o ao meu ver, melhor herói da empresa de HQs.

A jogabilidade em si é bem simples e muito bem elaborada. Com o A pulamos, com o B penduramos nossa teia no teto ou grudamos ela em uma parede próxima, com os botões "C", dois se utilizam de golpes (socos e outro chutes) e um outro se utiliza de soltar teias. É bom lembrar que, se apertarmos o botão de soltar teia, virando o analógico para algum lado, utilidades diferentes para a teia surge.

Para a esquerda, fazemos "luvas" de teia (Que dão mais dano nos inimigos), para direita criamos um escudo de teia em volta do aracnídeo, para cima ele lança uma teia mais reforçada que já abate o inimigo, e por fim, para baixo ele puxa o inimigo mais próximo em sua direção e o joga para longe. Também há o uso de agarrar o inimigo, onde podemos espancá-lo com socos e chutes.

É bom citar que as teias não são infinitas, e por isso, teremos vários cartuchos de teia espalhados pelas fases, que ajudam muito em batalhas contra chefes ou contra inimigos em grupo. Futuramente, no jogo, o aracnídeo consegue um lançador de teias de fogo, que cria teias que queimam os inimigos e que são muito mais resistentes. Assim como os cartuchos de teia, também encontramos várias "bolsas" de sangue, que recuperam nossa vida de danos.

Voltando com a jogabilidade, com o R, podemos nos pendurar pelos céus e ir em outros prédios. Sim, pelos céus até porque devido a limitação gráfica da época, não era possível fazê-lo se pendurar nos prédios. Essa limitação só foi rompida, anos mais tarde, em Spider-Man 2 da 6º Geração, baseado no filme de Sam Raimi. E para finalizar na parte de jogabilidade, com o L, podemos mirar nos inimigos ou em algum objeto para atirar nossa teia.


O jogo em si tem um total de 34 fases, sendo todas repartidas em seções. Sim, apesar da grande quantidade, elas são bem pequenas e são até consideradas "partes" das grandes missões do jogo. Essa interpretação do fãs é até bem aceitável, considerando que muitas delas acontecem nos mesmos locais.

Um exemplo são os prédios de Manhattan, que são bastante reutilizados durante o progresso do game. O que poderia ser considerado "chato" ou repetitivo, não acontece de fato, afinal eles reutilizam as fases de formas bem variadas e divertidas. Noturnas, em fuga, com missões dentro dos próprios prédios e por ai vai.

Um caso que muita gente comenta até hoje, é a neblina que fica abaixo dos prédios que mata o Homem-Aranha se ele descer até lá. Apesar das reclamações de muitas pessoas, o fato é que isso foi uma sacada muito inteligente da Activision. Era impossível fazer um jogo de mundo aberto com as limitações da época, por isso, preferiram criar a história de um gás tóxico para não deixar um imenso buraco negro abaixo dos prédios.

Os gráficos, para a época, eram bem bonitos. Se utilizando da mesma engine de Tony Hawk's Pro Skater, o jogo trazia belos visuais, tanto dos personagens quanto cenários. Há pequenas "diferenças" entre as versões de PS1 e N64, em relação aos gráficos.

Por exemplo, as cutscenes do PS1 são todas animadas, enquanto as do N64, são imagens com textos. Ao meu ver, ambas foram muito bem elaboradas. Enquanto as do PS1 trazem cutscenes muito bem feitas e animadas, as do N64, trazem um aspecto de HQs, com direito de até efeitos originais das obras de Stan Lee.

Os cenários em si das fases, são bem variados. Temos os já citados prédios (Por fora e por dentro), esgotos, laboratórios, bancos, áreas de construções e etc. Isso tudo, é claro, acima da neblina de gás tóxico. Há até uma batalha contra o Venom em um beco, que realmente fica abaixo dos prédios, mas creio eu que essa área tenha sido só feita em especial para a batalha do simbiose.


Além do Venom, Dr. Octopus e Carnage, temos a participação de vários outros vilões no jogo. Scorpion e Rhino, que inicialmente estão tentando machucar pessoas próximas ao Homem-Aranha, Dr. Lagarto que está liderando seu mini-exército de lagartos mutantes dos esgotos, Mysterio que traz com sua participação um grande reviravolta da história e por fim, Monster Ock, uma combinação do Dr. Octopus e Carnage que foi criada exclusivamente para este game. E sim, infelizmente, não temos a participação do Duende Verde neste game.

E além dos vilões, temos a participação de vários outros personagens, incluindo outros heróis da Marvel. Gata Negra, que tenta provar a inocência do Homem-Aranha, Demolidor que o ajuda a escapar da policia, Justiceiro que derrota vários bandidos para o Homem-Aranha escapar do local e ir atrás de Mysterio, Tocha Humana que conversa a respeito de sua inocência e por fim, Capitão América, que vem com a nave dos Vingadores para tirá-lo da explosão que ocorre lá pro final do jogo.

É possível utilizar outros uniformes além do tradicional do cabeça de teia, que são obtidos durante o jogo. Alguns deles, requerem que o jogador finalize em determinada dificuldade ou encontre pelas fases mesmo. O uniforme de simbiose, por exemplo, obtemos após finalizar o game uma vez. A lista de uniformes é grande, e podem trazer até novas horas de diversão ao jogador, afinal, muitas delas trazem características únicas que dão um ar a mais ao gameplay.

Spider-Man não traz músicas muito memoráveis, mas possuem lá seu charme. Exemplo disso é seu tema inesquecível, que ganha um remix genial nesse jogo. Enfim, deixarei aqui algumas músicas que gosto desse jogo:






O "estilo" musical utilizado neste jogo, realmente, combinou muito com as fases do game. A música "Rooftop", por exemplo, que toca em uma fase que fugimos de um helicóptero que atira misseis, combina totalmente com a atmosfera de adrenalina que a fase em si propõem.


Spider-Man é um clássico, e talvez seja mesmo o melhor jogo do Homem-Aranha (Ou o melhor jogo de herói já feito, como quiser). Depois desse jogo, tivemos sua sequência: Spider-Man 2: Enter Electro, que é tão bom quanto seu antecessor, mas que infelizmente, só foi lançado no PS1. Depois disso, a Activision começou a fazer jogos baseados nos filmes de Sam Raimi e, atualmente, nos de Marc Webb.

Seria ótimo ver um "Spider-Man 3" desta série, mas levando em conta a qualidade duvidosa dos novos jogos do cabeça de teia, é difícil imaginar coisa boa daqui pra frente. Dou meus parabéns aos 14 anos desse jogaço e que ainda seja lembrado por muitas e muitas gerações como, o jogo que definiu os games de heróis.

Gostou da postagem? Comente e deixe sua opinião! Já jogou esse clássico? Tem boas memórias dele? Qual seu game preferido do Homem-Aranha? Pode comentar ai que eu vou ler com toda a certeza. Essa postagem termina por aqui caros leitores, até a próxima postagem! =D

6 comentários:

  1. Melhor analise já feita sobre esse jogo. Escorreu até um suor aqui dos olhos.

    Parabéns Shadow Mario, novamente deixando muitos sites que se dizem "críticos" e analisantes no chinelo. Os blogs novatos deveriam aprender com o United Gamers como fazer uma analise, critica ou artigo excelente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo.

      Infelizmente,o site ainda não atingiu um público grande como eu esperava,mas aos poucos chegamos lá,e pelo menos temos leitores como você.

      Eu já dei uma jogadinha na versão de PS1 do Spider Man,e gostei muito.Qualquer dia irei finaliza-lo.Mas vai demorar um pouco,pois tenho muitos outros para terminar.

      Na minha opinião o melhor jogo de um super-herói já feito é o Batman Arkham City.
      É com certeza um dos melhores jogos dessa 7ª geração.
      Quando eu comprei e joguei até terminar,fiquei com uma sensação que o meu dinheiro foi muito bem investido,porque esse jogo é excelente.

      Parabéns Shadow,ficou excelente a postagem.

      Excluir
  2. esse jogo era foda kkkkk tinha ele e o 2 no meu ps1

    otima analise ai o united gamers ta cada vez melhor show de bola voces redatores com suas postagens

    ResponderExcluir
  3. Ótima postagem Shadow Mario!Um dia tenho que jogar esse jogo,já que adoro os jogos do Spider-Man e essa análise aumentou o meu interesse de o jogar.

    ResponderExcluir
  4. Pretende trazer uma analise do Enter Electro e dos jogos seguintes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, seria um crime não trazer. Porém, darei um tempo para o Enter Electro, já que tenho vários outros jogos para analisar.

      Excluir